Uma Viagem pelo Brasil na Web

Brasil, 25 de Novembro de 2020

Bandeira do Pará
Bandeira do Pará

» Home
» Brasil
» Regiões
  :: Pará
    .: Cultura
    .: Dados Gerais
    .: Culinária
    .: Economia
    .: História
    .: Infra-Estrutura
    .: Quadro Humano
    .: Quadro Natural
    .: Turismo
    .: Sites Estaduais

 
» Capitais
» Municípios


Pará (PA)

História

Os portugueses começam a fazer incursões no atual território do Estado do Pará durante a União Ibérica, no século XVI. Na mesma época, holandeses, ingleses e franceses o invadem em busca de sementes de urucum, guaraná e pimenta. A Coroa Ibérica se vê diante da necessidade de consolidar seu domínio pela Região Norte do País.
Em 1616, uma expedição entra num rio, hoje chamado Guajará, junto à Ilha de Marajó e constrói o Forte do Presépio, origem da Cidade de Belém. Entretanto, a colonização do território para ser eficiente, é preciso destruir os engenhos holandeses que existem ali.
A metrópole envia reforço militar, estimula à emigração para as zonas estratégicas e descentraliza a administração da região. Inicia-se a colonização.
Em 1621, passa a fazer parte da Capitania do Maranhão e Grão-Pará, subordinado diretamente a Portugal, abrangendo a área dos atuais Maranhão, Piauí, Ceará e Pará e 6 Capitanias, a de Caeté, Cabo do Norte, Marajó, Cametá, Xingu e a Capitania Real de Gurupá. Os missionários entram pelo sertão.
Em 1647, destrói-se os últimos contingentes holandeses. A economia paraense firma-se na exportação de cana, algodão, café e cacau.
Em 1667, Portugal envia degredados com o objetivo de aumentar o número de colonos. A agricultura prospera.
Logo após o Tratado de Madri, de 1750, que deu a Portugal o direito de posse sobre uma vasta área até então pertencente à Espanha, começam a ser construídas novas fortalezas em pontos da fronteira.
Entre 1752 e 1754 as Capitanias passam à Coroa e em 1755, o Governador do Grão-Pará extingue a escravidão indígena e acaba com a influência jesuítica nas missões e para dinamizar a economia regional e estimular as atividades agrícolas além do extrativismo, é criada a Companhia Geral do Comércio do Grão-Pará e Maranhão.
A Capitania do Maranhão e Grão-Pará é desfeita em 1774.
Em 1778, chegam casais açorianos à região e surgem algumas localidades, como Óbidos. A região desenvolve-se rapidamente e, no início do século XIX, Belém desponta como um grande centro urbano, com edificações de vulto, civis e religiosas e um jardim botânico para estudos de espécimes vegetais.
Em 1821, a Revolução Constitucionalista do Porto, em Portugal, encontra apoio no Pará, marcando o Estado como o primeiro a se revoltar no País inspirado no liberalismo.
Entretanto, o Pará, devido à autonomia imposta pela Metrópole, fica à margem dos acontecimentos do restante do País e fica excluído da Independência do Brasil, necessitando de várias batalhas para ser incorporado ao Governo Imperial. O domínio português só termina em 1823. Inicia-se uma série de revoltas pela Província, revelando a impotência das autoridades: a mais importante, a Cabanagem (1835), chega a decretar a sua Independência. Quando a Cabanagem é dominada, a população da Província encontra-se dizimada e muitos núcleos, em áreas produtivas, desaparecem. A lavoura e a pecuária acham-se arruinada.
Nesta época, metade da década de 1850, as reservas de seringueiras da Amazônia despertam o interesse do Reino Unido e dos Estados Unidos, que promovem expedições científicas à região.
Surge, então, em 1870, estudos sobre a arqueologia amazônica, tendo no Pará, a cultura marajoara do Pacoval, na área do Lago Arari (foz do Amazonas) despertado maior interesse.
De 1870 em diante, o Pará se integra totalmente ao restante do País e sua economia e seu povoamento crescem gradativamente devido ao ciclo da borracha.
Belém volta a ser metrópole regional. Abrem-se novas ruas e avenidas com traçado moderno; empresas bancárias (Banco do Pará, Banco de Belém, Banco Comercial do Pará), hotéis, hospitais, teatros, a Biblioteca Pública de Belém e o Museu Paraense (hoje Goeldi), e constroem-se casas. Em 1874 estabelece-se a ligação telegráfica entre Belém e o Rio de Janeiro, e em 1896 começa a funcionar o serviço de luz e força.
Com o colapso da borracha, em 1919, o Pará entra numa fase difícil. Em algumas regiões, implantam-se novos recursos econômicos com o objetivo de equilibrar a economia do Estado, como por exemplo a lavoura em Bragança, a pesca em Salgado e o gado em Marajó.
De 1950 em diante, inicia-se um novo período de recuperação econômica do Pará.
A abertura da Rodovia Belém-Brasília e da Transamazônica, a aplicação de recursos governamentais nas comunicações e usinas hidrelétricas e a criação da Superintendência da Amazônia (SUDAM) levam para a Amazônia Legal investimentos de grandes empresas e incentivos à diversificação econômica, além do retorno dos fluxos migratórios. Entre 1970 e 1980, vários projetos polêmicos foram executados no Estado. A construção da Usina de Tucuruí, inaugurada no final de 1986, projetada para fornecer energia para o futuro parque industrial do Estado, desperta uma série de denúncias sobre o desmatamento e o desastre ecológico; o garimpo de Serra Pelada causa uma migração caótica que arruína a vida e a saúde de milhares de pessoas e esgota seus recursos devido à exploração descontrolada; surgem conflitos fundiários com sucessivos crimes de morte.
Um dos poucos projetos que dão certo, é o Projeto Carajás, exportação do minério de ferro extraído da Serra de Carajás através do Porto de Itaqui, no Maranhão.
Em 1996, é anunciada a descoberta de uma das maiores jazidas de ouro do mundo, em Serra Leste, provocando um grande conflito entre a Companhia Vale do Rio Doce (autorizada a explorá-la) e os garimpeiros de Serra Pelada, que alegam ter direito de lavra sobre a área, necessitando a intervenção do Exército e da Polícia Federal.
Um dos principais problemas sociais enfrentados pelo Estado é a grande concentração fundiária, que provoca conflitos entre trabalhadores rurais sem-terra, grileiros, posseiros e índios.






® Copyright 2000-2020 - Brasil Channel - todos os direitos reservados por lei,  proibida a reprodução total ou parcial deste site.
LEI Nº 9.610/98 - DIREITOS AUTORAIS, LEI Nº 9.609/98 PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL e LEI No 10.695 - Código de Processo Penal